A maior parte das pequenas e médias empresas em nosso país possuem algumas características comum entre elas, já que, para muitos empresários, iniciar seu próprio negócio foi a única opção encontrada para gerar renda e sustentar sua família. Como consequência dessa decisão, os negócios que prosperaram e se mantiveram no mercado em muitos casos apresentam falhas em suas estruturas, isso pode impedir seu crescimento e por consequência seu valor no mercado acaba se deteriorando.

Infelizmente é comum entre estas empresas haver falta de profissionalização e falta de transparência em seus processos administrativos e isso reflete diretamente nos resultados da operação.

A profissionalização da gestão e adoção de práticas que pretendem evitar ou até eliminar possíveis conflitos internos pode ajudar estas empresas a se manterem no mercado, que cada vez mais tem se mostrado altamente competitivo, com novas empresas e novas tecnologias.

Segundo o Instituto Brasileiro de Governança Corporativa – IBGC, a adoção de práticas de Governança Corporativa nas empresas, sejam elas pequenas, médias ou grandes possibilita criar um conjunto de mecanismos, tanto de incentivos quanto de monitoramento, cujo objetivo é assegurar que o comportamento dos administradores esteja sempre alinhado com os interesses da empresa.

“A Governança Corporativa é o conjunto pelo qual as empresas e demais organizações são geridas, monitoradas e incentivadas, envolvendo os relacionamentos entre sócios, conselho de administração, diretoria, órgãos de fiscalização e controle, entre outros.”

A adoção por parte das empresas de boas práticas de Governança Corporativa tem o propósito de transformar princípios básicos em recomendações práticas, alinhando os interesses dos envolvidos, com a finalidade de preservar e potencializar o valor econômico da organização, contribuindo para a qualidade da gestão, possibilitando seu acesso a recursos, proporcionando a empresa e aos envolvidos maiores e melhores resultados ao longo do tempo.